Boto-vermelho ganha cartilha ilustrada por meninas da Casa Mamãe Margarida

O Projeto Mamíferos Aquáticos da Amazônia, por meio da Associação Amigos do Peixe-boi – AMPA, lançou em parceria com a Casa Mamãe Margarida, no dia 4 de setembro, a cartilha “Deixe o Boto-vermelho Viver”.

Por Aline Cardoso/Ascom Ampa

Foram mais de 40 desenhos feitos pelas meninas da instituição, em uma série de atividades de educação ambiental que envolveu alunas da primeira infância e também do ensino médio. Um total de 20 deles foram selecionados para ilustrar a cartilha que fala sobre a importância do boto-vermelho no ecossistema aquático e do porquê não matá-lo, além de discorrer sobre as demais espécies de mamíferos aquáticos que são endêmicas da Região Amazônica.

O evento de lançamento foi na Casa Mamãe Margarida, para aproximadamente 100 alunas da instituição, das quais 70 são da primeira infância, professores, servidores e comunidade do entorno. A Casa é uma uma instituição que acolhe meninas em situação de risco social, com idades entre 5 e 18 anos.

De acordo com a gestora da Casa, Eneila Lima, a iniciativa serviu para dar perspectiva de um futuro melhor às crianças: “Ter as nossas meninas escolhidas para ilustrar o livro causou um impacto positivo e determinante na vida delas, pois são crianças que vivem em situação de risco pessoal e social. A causa que abraçamos na formação delas está voltada para a melhoria da autoestima, além da educação.”

A gestora reafirma a importância das crianças se sentirem úteis e que compreendam desde cedo o seu potencial para mudar o seu futuro: “Pelo menos uma vida foi salva com o projeto. Uma das crianças, com comportamento de profunda tristeza e isolamento já apresentou leve mudança após participar da iniciativa, sobretudo após ter seu desenho escolhido para ilustrar a cartilha, então é fundamental que a gente continue nessa luta”, comenta a gestora.

Ilustradoras mirins no lançamento da cartilha na Casa Mamãe Margarida com a gestora, Eneila Lima, e a educadora ambiental, Jamylle Souza.

“Achei tão bom que meu desenho foi escolhido para o livro. Um livro ensina bastante coisa, a ler e também palavras novas. Por isso estou muito feliz”, diz Ana Beatriz, de 10 anos, aluna da 4ª série da Casa Mamãe Margarida.

Para a pesquisadora do Inpa, Vera da Silva, coordenadora do PMAA e do LMA, o lançamento da cartilha é o encerramento de um ciclo na educação: “É muito importante, no processo de empoderamento, que essas meninas tenham algo palpável como resultado do seu esforço, o que serve de motivação para outras atividades e projetos no futuro, contribuindo para a melhoria da autoestima delas”, afirma.

 

Alerta Vermelho

Esta é uma campanha que adverte sobre a problemática da matança de botos-vermelhos para uso como isca na pesca do bagre piracatinga (Calophysus macropterus). 

Foi firmado um Termo de Cooperação Técnica entre o Ministério Público Federal e a Associação Amigos do Peixe-boi – AMPA para promover ações de fiscalização e realização de cursos de capacitação dos agentes destes órgãos.

A partir da publicação da Instrução Normativa Interministerial Nº 6 de 17 de julho de 2014, ficou proibida, por um período de cinco anos, a pesca, retenção a bordo, transbordo, desembarque, armazenamento, transporte, beneficiamento e a comercialização da piracatinga (Calophysus macropterus) em águas jurisdicionais brasileiras e em todo o território nacional.

Para fortalecer essas ações foi realizado, no mês de junho, o Workshop Alerta Vermelho, pela Associação Amigos do Peixe-boi (AMPA) com o apoio do Ministério Público Federal. O objetivo era reunir os órgãos fiscalizadores que assinaram o Termo de Cooperação Técnica e participaram do curso “I Curso de Identificação dos Filés de Bagres para Fiscalização do Pescado no Estado do Amazonas”, realizado em 2016, para uma avaliação das ações de fiscalização desenvolvidas por tais órgãos para a fiscalização do cumprimento da moratória da piracatinga.