Monitoramento dos Botos-Vermelhos

Os levantamentos e monitoramentos de botos-vermelhos, no âmbito do Projeto Mamíferos Aquáticos da Amazônia, tem como objetivo aumentar o conhecimento e monitorar o comportamento dos botos-vermelhos e tucuxis das áreas de estudo. São 2 as áreas: 1) Reserva de Desenvolvimento Sustentável de Mamirauá, entre os municípios de Alvarães, Maraã, Tefé e Uarini – todos no estado do Amazonas, dando continuidade há mais de 25 anos de pesquisa ali realizadas; e 2) Usina Hidrelétrica de Balbina, no município de Presidente Figueiredo – também Amazonas, sendo iniciado no Projeto para entender e avaliar a situação dos animais que encontram-se isolados (apenas botos-vermelhos) há mais de 30 anos pela construção da barragem.

Tais atividades buscam, como já dito, avaliar a presença dos animais nas áreas de estudo e os comportamentos apresentados por eles. Ao longo do Projeto são realizadas, além dos monitoramentos, capturas destes botos para a retirada de tecidos / sangue, que nos dirão sobre o estado de saúde e também são realizadas marcações criogênicas, utilizando-se de letras e números, a fim de possibilitar os registrar dos possíveis reencontros nos momentos em que ocorrem os monitoramentos.

Desde 2010, a Petrobrás patrocina estas ações por meio do Projeto Mamíferos Aquáticos da Amazônia. O trabalho é intendo! Diariamente, pesquisadores e auxiliares saem de voadeira em busca de botos marcados Com binóculos e câmera em punho, fotografam cada boto avistado. A foto auxilia no processo de identificação dos animais e permite dizer quem está fazendo o que e com quem. As informações obtidas são cadastradas em bancos de dados e são a base para as pesquisas sobre esses animais.